14 de jun de 2017

A luta de quem vive com o câncer de sarcoma sanovial bifásico

O sarcoma sinovial são tumores cancerígenos raros que têm origem de células multipotenciais. Ocorre principalmente em jovens e adultos com idade mediana de 26,5, mais frequente no sexo masculino.

Paula Larcerda Oliveira, 47, descobriu o câncer, sarcoma sinovial bifásico - grau 3-, aos 44 anos após ter procurado alguns médicos quando nódulos aumentavam em sua mão. Como a descoberta foi um pouco tarde, o tratamento submetido não foi o mais simples. 


(Imagem: Paula Lacerda)

De acordo com Paula, o tratamento do seu câncer já rendeu 31 cirurgias, pois a quimioterapia não é adotada nesse tipo de doença. Como consequência, o sarcoma atinge o pulmão e só depois de afetar o órgão é que será submetida às quimioterapias. 

A amputação do braço aliviaria as dores que sente diariamente, mas este procedimento só é adotado em casos extremos. ''Tenho um esposo, uma filha e um cachorro que me dão muito apoio e amor. Nesses momentos, aqueles que diziam serem amigos somem'', diz a mulher que aguarda ansiosa a liberação da pílula do câncer. 

A pílula do câncer ou fosfoetanolamina, começou a ser estudada no Instituto de Química da USP em São Carlos, pelo pesquisador Gilberto Chierice. Em julho de 2016, o Icesp (Instituto do Câncer de São Paulo) deu início em uma avaliação com pacientes que foram acompanhados por uma equipe especializada em testes clínicos. 

Em texto divulgado pelo Icesp, os resultados iniciais da pesquisa clínica não indicaram o benefício clínico esperado aos pacientes que fizeram uso da substância na dose do estudo.

Enquanto a ciência não descobre meios para a cura do câncer, milhares de pessoas continuarão sofrendo e acreditando em dias melhores, assim como Paula.