25 de out de 2016

Vice-Presidente do Sindicato dos professores, Celso Napolitano, é o convidado do projeto Repórter do Futuro.

Militante na educação há 40 anos, o sindicalista e professor debateu temas importantes com os repórteres do futuro.


Celso Napolitano foi o convidado para um debate e uma coletiva de imprensa no último sábado, 22, no projeto Repórter do Futuro, organizado pela Escola do Parlamento na Câmara Municipal em parceria com a Oboré – Projetos Especiais em Comunicações e Artes.

(Imagem: Carlos Irineu – à esquerda, Celso Napolitano).

Durante o bate-papo, Napolitano e os repórteres do futuro discutiram temas relevantes no que tange à educação do país. Foram pautados desde o PIB (Produto Interno Bruto) – no valor de R$ 140 milhões/ano disponível para a educação no Brasil a programas sociais como o Fies e o ProUni.

Para Napolitano, os programas sociais voltados para a educação são um grande avanço para o desenvolvimento intelectual, porém sem planejamento. Pois, ainda de acordo com o professor, o que se pensa nem sempre se aplica.

O FIES, o maior programa de inclusão social, tem como principal objetivo financiar a faculdade, principalmente para a classe C. ‘’As faculdades abusaram deste programa. Superfaturavam os cursos e faziam programas de incentivo para alcançar o maior número de alunos, inclusive os que tinham condições para bancarem seu curso. Isso trouxe um gasto gigante para os cofres públicos que não suportou a demanda’’ - disse Napolitano.

Ainda de acordo com o professor, há um abandono nos estudos dos alunos que saem do ensino fundamental e vão para o ensino médio. ‘’É nesse período de transição que os alunos se veem obrigados a largar o estudo para ir trabalhar ou simplesmente porque o ensino não atendeu as suas necessidades’’.

Sobre os gastos na educação, Napolitano foi enfático em dizer que todas as constituições estaduais e municipais têm a obrigação de fornecer verba para a educação, porque cada aluno custa aproximadamente R$ 2.545 anualmente.